Newsletter

Nome:

E-mail:


Preferências

Pesquisa

Medicina do Trabalho

Como Interpretar os Rótulos dos Alimentos

2010-09-28 13:49

Os rótulos dos alimentos funcionam um pouco como o Bilhete de Identidade desse produto devendo conter  indicações completas, verdadeiras e esclarecedoras quanto à composição, qualidade, quantidade, validade ou demais características que entrem na composição do produto. Para além da função publicitária, o rótulo deve ser fundamentalmente um meio de informação que facilite ao consumidor uma escolha adequada e uma actuação correcta na conservação e consumo do produto.

Só através de uma leitura atenta dos rótulos dos alimentos se conseguem fazer escolhas alimentares mais objectivas, conscientes e de maior qualidade. Fazer uma escolha saudável não é meramente uma questão de dieta – de manter ou perder peso - mas sobretudo uma questão de saúde.

Os rótulos dos produtos alimentares devem conter obrigatoriamente:

  • Denominação de venda - Designação do produto pelo seu nome (bolacha, carne, gelado, ovos, etc.). Sempre que o consumidor possa ser induzido em erro, a denominação de venda deve incluir indicação do estado físico do produto ou do tratamento específico a que foi submetido (fumado, concentrado, reconstituído, congelado, etc.);
  • A lista de ingredientes e aditivos elaborada por ordem decrescente das quantidades; Devem ser declarados, obrigatoriamente, o valor energético e os seguintes nutrientes: hidratos de carbono (ou glícidos), proteínas, gorduras totais, gorduras saturadas, gorduras trans, fibra alimentar e o sódio.
  • Quantidade líquida ou quantidade de produto contido na embalagem expresso em volume (litro) ou em massa (quilograma);
  • Data de durabilidade mínima ou data limite de consumo, ou seja, a data até à qual o produto alimentar conserva as suas propriedades específicas nas condições de conservação apropriadas. A data de durabilidade mínima deve constar sempre na embalagem e ter a seguinte designação: "consumir de preferência antes de " A data limite de consumo também é obrigatória e é representada pela inscrição: "Consumir até ". Nos produtos que duram menos de 3 meses: o mês e o dia. Nos produtos que duram entre 3 e 18 meses: o ano e o mês. Nos produtos que duram mais de 18 meses: o ano;
  • Condições especiais de conservação, utilização e modo de emprego. Quando os produtos careçam de especiais cuidados de conservação ou utilização e o seu modo apropriado exija indicações especiais;
  • Região de origem quando a sua omissão seja susceptível de induzir o comprador em erro quanto à real origem do produto (exemplo: vinho do Porto, pão de Mafra);
  • Indicação que permita identificar o lote ao qual pertence o alimento. Nome, firma ou denominação social e morada do produtor, importador ou armazenista, retalhista ou outro vendedor, conforme a entidade responsável pelo lançamento do produto no mercado.


Há produtos que, pelas suas características, estão isentos de algumas obrigatoriedades. Assim:

  • Isentos da indicação da data de durabilidade mínima: Açúcar, Vinho, Frutos e hortícolas frescos, Sal, Vinagre, Bolos de pastelaria, Gelados, etc.
  • Isentos da indicação da quantidade líquida: a) Os produtos vendidos à peça ou pesados à vista do comprador e sujeitos a perdas consideráveis da sua massa ou volume. Exemplo: alguns tipos de queijo e fruta; b) os produtos cuja quantidade líquida é inferior a 5g ou 5ml, com excepção das especiarias e das plantas aromáticas; c) os produtos habitualmente vendidos por números de unidades, desde que esse número possa facilmente ser contado do exterior ou indicado no respectivo rótulo. Exemplo: ovos.

Para fazer uma boa escolha, quando se compram produtos alimentares, é importante saber interpretar a informação constante do Rótulo. Deve ter-se em atenção, pelo menos, os seguintes aspectos:

  • Preferir alimentos com menor densidade calórica (número de kcal/100g). Um valor superior a 400kcal por 100g de produto é bastante elevado.
  • Se consumir produtos ricos em hidratos de carbono (pão, cereais, barras, bolachas, biscoitos, etc.) prefira os que contêm mais de 6g de fibra e proteína (por 100g). Um valor superior a 10g seria excelente.
  • Ter especial atenção ao tipo de gordura que o produto contém. Quanto menos gordura saturada (e hidrogenada ou trans) melhor. Privilegie as gorduras mono-insaturadas e poli-insaturadas.
  • Comparar produtos semelhantes e escolher aqueles que têm menos açúcar e menos sal.
  • Ver sempre a data de validade do produto e (mesmo dentro da validade) não comprar produtos com embalagens danificadas.


Para informação mais detalhada sobre como interpretar os rótulos clique em INFORMAÇÃO ADICIONAL.

Habitue-se a verificar sempre os rótulos dos alimentos que consome. Vai notar diferenças na sua saúde.