Newsletter

No template file found: {$plugin.feadmin.dmailsubscription.file.templateFile}

Pesquisa

Medicina do Trabalho

Stresse e Fadiga Associados ao Trabalho

2012-07-02 12:36

Quando as exigncias das tarefas se encontram a um nvel timo (e no mximo), quando permitido aos trabalhadores exercerem um certo grau de autonomia e quando o clima amigvel e encorajador, o trabalho pode ser um dos fatores promotores de sade ao longo da vida. Contudo, se as condies de trabalho forem caracterizadas pelos atributos opostos, provvel que venham a causar problemas de sade, acelerar o seu aparecimento ou despoletar os seus sintomas. Quando expostos a estes (ou outros) fatores de stresse, a maioria dos indivduos reage emocionalmente com ansiedade, depresso, mal-estar, excitao ou fadiga.

De acordo com dados da Agncia Europeia para a Segurana e Sade no Trabalho, o stresse o segundo problema de sade relacionado com o trabalho mais notificado, afetando 22% dos trabalhadores da Unio Europeia. Pode afetar qualquer pessoa, a qualquer nvel e pode ocorrer em qualquer sector, independentemente da dimenso da organizao.

REAO FISIOLGICA AO STRESSE

Os recetores sensoriais espalhados por todo o corpo captam as alteraes no ambiente, enviando-as ao hipotlamo (um dos principais responsveis pela homeostasia, ao regular as funes vitais que variam com os estados emocionais, como por exemplo, temperatura, batimentos cardacos, presso sangunea, etc.). Por sua vez, este estimula a glndula hipfise a libertar a hormona adenocorticide (ACTH), cujo principal destino so as glndulas supra-renais, que iro distribuir as substncias qumicas responsveis por estimular o organismo para luta ou fuga (adrenalina, mineralocorticides e glicocorticdes), desencadeando assim os sintomas referentes ao stresse.

Cada pessoa responde s situaes de stresse de forma diferente: o que representa um grande problema para uns, pode ser gerenciado com tranquilidade por outros. Contudo, em qualquer situao de stresse, o organismo sofre um conjunto de alteraes fisiolgicas que se dividem em trs fases:

1 Fase - Reao de Alarme (detetada a situao de stresse, o indivduo prepara-se para a luta ou para a fuga):

 Aumento da frequncia cardaca;
 Aumento da presso arterial;
 Aumento da concentrao de glbulos vermelhos;
 Redistribuio do sangue;
 Aumento da frequncia respiratria;
 Dilatao dos brnquios;
 Dilatao das pupilas;
 Aumento da concentrao de glbulos brancos;
 Ansiedade;
 Aumento da concentrao de acar no sangue.

2 Fase Resistncia (ocorre caso o agente stressor mantem a sua ao):

 Aumento do crtex da supra renal;
 Ulceraes no aparelho digestivo;
 Irritabilidade;
 Insnia;
 Mudanas no humor;
 Diminuio do desejo sexual;
 Atrofia de algumas estruturas relacionadas produo de clulas do sangue.

3 Fase Exausto (comeam a surgir afees da mucosa bucal, herpes, gripes, dores no corpo, tenso muscular, irritao, falta de concentrao, insnias, falta ou excesso de apetite, etc.):

 Retorno parcial e breve reao de alarme;
 Falha dos mecanismos de adaptao;
 Esgotamento por sobrecarga fisiolgica;
 Morte do organismo.

SINTOMAS DE STRESSE

 

PRINCIPAIS CAUSAS DE STRESSE NO TRABALHO

Contedo do trabalho: Presso para manter um elevado ritmo de produo; responsabilidade; conflitos entre colegas e com a prpria chefia; etc.

Sentimentos de incapacidade: Perceo pessoal da incapacidade em dar resposta quantidade de trabalho a realizar ou em termin-lo dentro de um prazo estabelecido.

Condies de trabalho: Condies desfavorveis, obrigando a manter posturas inadequadas.

Fatores organizacionais: Comportamentos dos chefes e supervisores que podem ser demasiadamente exigentes e crticos; descontentamento com o salrio; impossibilidade de evoluo na carreira; horrios de trabalho; horas extras e turnos; etc.

STRESSE E FADIGA

A fadiga pode ser entendida como um conjunto de alteraes que ocorre no organismo, resultante de atividades fsicas ou mentais, que originam uma sensao generalizada de cansao. consequncia direta da fadiga, a perda de eficincia, ou seja, a diminuio da capacidade de trabalho.

Formas de fadiga:

a. Fadiga muscular: A capacidade dos msculos em responder a estmulos e produzir trabalho sensivelmente diminuda. Pode ser considerada uma resposta normal ao stresse decorrente de atividades fsicas intensas, executadas por um longo perodo de tempo.

b. Fadiga crnica: Processo mais generalizado, progressivo e cumulativo, pode ser decorrente de perodos longos de atividade, repouso insuficiente, nutrio inadequada, excessiva preocupao ou outros problemas de sade. Os sintomas mais comuns desse tipo de fadiga so: dificuldade de dormir, irritabilidade, brusca perda de peso e um estado geral de exausto.

Sintomas da fadiga:

 Sonolncia, prostrao e falta de disposio para o trabalho;
 Dificuldade para pensar;
 Diminuio da ateno;
 Lentido e amortecimento das percees;
 Diminuio da fora de vontade;
 Perdas de produtividade em atividades fsicas e mentais.


COMO VENCER O STRESSE E A FADIGA? CONCELHOS PARA OS TRABALHADORES

No local de trabalho, os funcionrios podem contribuir para a melhoria nas suas condies de sade e segurana, incluindo as suscetveis de gerar stresse, identificado problemas e possveis solues.

Neste sentido, a Agncia Europeia para a Segurana e Sade no Trabalho dirige os seguintes concelhos aos trabalhadores:

  • Pedir maior responsabilidade na planificao do seu prprio trabalho;
  • Pedir para participar nas decises sobre a sua rea de trabalho;
  • Falar com o seu chefe, com o representante dos trabalhadores ou com outros colegas que se mostrem disponveis se achar que est a ser alvo de assdio, e manter um registo do que aconteceu;
  • Falar com o seu chefe se as suas responsabilidades no estiverem bem definidas;
  • Solicitar formao, se a considerar necessria;
  • Falar com o seu chefe ou representante dos trabalhadores se comear a sentir que no capaz de fazer face s suas obrigaes.
  • Alm disso, melhorar o seu estilo de vida ajuda a evitar ou a reduzir os danos, pelo que se aconselha:
  • Caminhe ao ar livre: durante a hora de almoo, ou intervalo, aproveite para caminhar por 10 minutos ou mais.
  • Divida o tempo de trabalho: organize o seu trabalho em blocos de 45 minutos, concentrando-se intensamente durante esse perodo e depois fazendo uma pequena pausa para ir casa de banho ou tomar um caf.
  • Oua msica: no carro, nos transportes pblicos ou durante a sua caminhada, escute msicas que sejam animadoras e empolgantes.
  • Respire e expire: Quando estiver muito estressado ou ansioso respire profundamente por 10 vezes seguidas, com os olhos fechados. Isso ir diminuir a sua presso sangunea e acalmar o nervosismo.
  • Sono: reforce as horas de sono, dormindo sete a oito horas regularmente.
  • Exerccio fsico: faa exerccio fsico duas a trs vezes por semana. Quando praticado de forma moderada, o exerccio estimula naturalmente o bem-estar e o nimo para superar os desafios do dia-a-dia.

COMO VENCER O STRESSE E A FADIGA? CONCELHOS PARA OS EMPREGADORES

A entidade patronal tem o dever legal de proteger a sade e segurana dos seus funcionrios, nomeadamente contra os efeitos do stresse.

Neste sentido, a Agncia Europeia para a Segurana e Sade no Trabalho dirige os seguintes concelhos aos empregadores:

  • Conceder aos trabalhadores tempo suficiente para executarem as suas tarefas;
  • Definir claramente as suas tarefas;
  • Recompensar os trabalhadores pelo bom desempenho;
  • Permitir que os trabalhadores se queixem e apreciar as suas queixas com seriedade;
  • Dar aos trabalhadores controlo sobre o seu trabalho;
  • Minimizar os riscos fsicos;
  • Permitir que os trabalhadores participem nas decises que os afetam;
  • Adequar a carga de trabalho s capacidades e recursos de cada trabalhador;
  • Conceber as tarefas de modo a torn-las interessantes;
  • Definir claramente papis e responsabilidades;
  • Criar oportunidades de interao social;
  • Evitar ambiguidades em matria de segurana de emprego e de perspetivas de carreira.


Elisabete Afonso (TSST)

Ver tambm: