Newsletter

No template file found: {$plugin.feadmin.dmailsubscription.file.templateFile}

Pesquisa

Medicina do Trabalho

Prevenção do Cancro da Mama

2013-11-11 11:43

Estima-se que na Europa surjam todos os anos 430 000 novos casos de cancro da mama, uma das doenças com maior impacto na nossa sociedade, sendo o tipo de cancro mais comum entre as mulheres. Contudo, em Portugal, cerca de 1% dos cancros da mama são diagnosticados no homem, razão pela qual toda a informação disponível sobre esta doença é aplicada a ambos os sexos.

Uma vez que no passado mês de Outubro se assinalou o mês internacional de Prevenção de Cancro da Mama, apresentam-se em seguida um conjunto de informações relativas a este tema, as quais nunca são demais relembrar.
 

O QUE É O CANCRO DA MAMA?

O nosso organismo é constituído por muitos milhões de células que se reproduzem pelo processo de divisão celular. Em condições normais, este é um processo ordenado e controlado, responsável pela formação, crescimento e regeneração de tecidos saudáveis no corpo.

No entanto, à medida que a idade aumenta, as células podem perder a capacidade de limitar e comandar o seu próprio crescimento passando, então, a dividir-se e multiplicar-se muito rapidamente e de forma aleatória, originando um desequilíbrio na produção dos tecidos do corpo e formando o que se conhece como tumor.

O cancro da mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário e que, quando não é diagnosticado a tempo, pode “espalhar-se” (metastizar) pelo organismo. Quando o cancro da mama é detetado numa fase inicial, apresenta uma taxa de cura superior a 90%.

Regra geral, o cancro da mama é um tumor de evolução lenta e que pode ser detetado, através da mamografia, em fases iniciais de desenvolvimento. Os cancros da mama são todos diferentes: têm características específicas, bem como “comportamento” e evolução diferentes, de pessoa para pessoa.

São conhecidos alguns fatores de risco para o cancro da mama, muito associados aos estilos de vida e a características reprodutivas inerentes à vida moderna e ocidentalizada. De notar que há entre 5 a 10% dos cancros da mama diagnosticados que aparentam características genéticas e hereditárias que, caso sejam confirmadas, obrigam a um acompanhamento mais precoce e cuidadoso das familiares.

Consulte periodicamente o seu médico e faça regularmente os exames recomendados.

Este é o caminho certo para o diagnóstico precoce da doença.

 

RASTREIO DE CANCRO DA MAMA

A Liga Portuguesa Contra o Cancro é uma organização não-governamental com vários objetivos direcionados para a problemática oncológica e que desenvolve, desde 1986, atividades de rastreio do cancro da mama que ajudam a diagnosticar precocemente (na fase inicial) esta doença.

O Programa de Rastreio de Cancro da Mama é um programa dirigido a mulheres assintomáticas (que não apresentam sintomas) com idade compreendida entre os 45 e os 69 anos e que consta na realização de uma mamografia (gratuita) a cada dois anos. Este exame radiológico é depois estudado por 2 radiologistas que, em caso de dúvida, chamam a mulher a uma consulta clínica de aferição. Se subsistirem dúvidas, a mulher é encaminhada para instituições hospitalares onde realizará um diagnóstico final e, caso a suspeita se confirme, será rapidamente tratada.

Posteriormente, o resultado do exame será enviado para a Unidade de Saúde do Concelho onde realizou o Rastreio no prazo médio de 3 a 4 semanas, devendo depois ser solicitado ao médico de família.


MITOS E FACTOS SOBRE O CANCRO DA MAMA

Mito: Só as mulheres têm cancro da mama.
Facto: Os homens também podem ter cancro da mama ainda que seja muito raro.

Mito: Só as mulheres com história familiar têm risco de vir a ter cancro da mama.
Facto: A maioria das mulheres com cancro da mama não tem história familiar.

Mito: As mulheres mais novas têm maior risco do que as mais velhas de vir a ter cancro da mama.
Facto: As mulheres mais velhas têm maior risco do que as mais novas de vir a ter cancro da mama.

Mito: Nódulos mamários aumentam o risco de cancro da mama.
Facto: A maior parte dos nódulos benignos da mama não aumenta o risco de cancro.

Mito: Beber café aumenta o risco de cancro da mama.
Facto: Beber café não aumenta o risco de cancro da mama.

Mito: Anti-transpirantes e desodorizantes aumentam o risco de cancro da mama.
Facto: Anti-transpirantes e desodorizantes não aumentam o risco de cancro da mama.

Mito: A amamentação aumenta o risco de cancro da mama.
Facto: A amamentação não aumenta o risco de cancro da mama, nem o diminui de forma considerável.

Mito: A escorrência (líquido) mamilar é sinal de cancro da mama.
Facto: A escorrência mamilar é um sinal importante mas que na maioria dos casos não traduz cancro.

Mito: Os soutiens com aros aumentam o risco de cancro da mama.
Facto: Os soutiens, com aros, sem aros, etc. não têm qualquer influência no risco de cancro da mama.

Mito: Um traumatismo na mama pode causar cancro.
Facto: Os traumatismos na mama não causam cancro.

Mito: As pílulas contracetivas aumentam o risco de cancro da mama.
Facto: As pílulas contracetivas atuais não aumentam o risco de cancro da mama.


Elisabete Afonso (TSST)

Fontes: http://www.ligacontracancro.pt e http://www.pop.eu.com


Ver também:

• 30 de Outubro - Dia Nacional de Prevenção do Cancro da Mama